Política 2.0: os aplicativos que ajudam o eleitor a escolher o candidato e a cobrá-lo depois

O professor universitário Leonardo Secchi promete dividir sua cadeira na Assembleia Legislativa de Santa Catarina com 1.000 pessoas caso venha a ser eleito em outubro. Cerca de 500 eleitores já se envolveram no projeto de CoDeputado apresentado como plataforma de campanha pelo pré-candidato do PSB. “É como uma participação acionária no mandato”, resume Secchi, que estabeleceu sete princípios básicos para a participação e, baseado neles, excluiu da plataforma dois colaboradores que defenderam em suas redes sociais uma intervenção militar durante a paralisação dos caminhoneiros. O modelo de mandato compartilhado por aplicativo vem sendo testado desde 2017 por pelo menos cinco vereadores de Minas Gerais, São Paulo e Santa Catarina e é apenas uma demonstração de como a tecnologia vem influenciando a política no Brasil.

“O mandato compartilhado é a grande revolução política do século 21”

O professor de Administração Pública da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), doutor em Ciências Políticas, Leonardo Secchi, de Florianópolis, aposta na inovação para conquistar votos e um mandato a deputado estadual em Santa Catarina. Ao defender a participação popular nos mandatos como uma forma de recuperar o interesse das pessoas na gestão pública, ele quer dividir o mandato com os cidadãos.

Professor une 1.000 cidadãos em busca de mandato compartilhado em Santa Catarina

Estudantes, professores, profissionais liberais, empresários, lideranças comunitárias, autônomos… O perfil, embora diverso, é seletivo. São cidadãos dispostos a discutir e a participar efetivamente da política, em pleno ano eleitoral, cujo descrédito da classe diante da corrupção prevê maior afastamento dos brasileiros das urnas.

Na contramão, este seleto grupo será formado por 1.000 pessoas ávidas não só a votar em outubro, mas também a ter poder decisório sobre as pautas de interesse público na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, estado com 7 milhões de habitantes e pouco mais de 5 milhões de eleitores.